Cultura de paz, mindfullness

Ontem, amanhã e… hoje

Foto: Álbum de família

A foto do álbum dos meus 15 anos, que minha mãe resolveu tirar da gaveta agora, quase às vésperas dos meus 45, me trouxe um monte de lembranças. Botei a imagem no Facebook pra lembrar a mim mesma da menina de nariz arrebitado e olhar de Capitu que eu havia me esquecido de um dia ter sido. Será que fui? Quanto será que a gente fantasia das próprias memórias? Quanto será que a gente sonha o passado do mesmo jeitinho que sonha o futuro? E onde é que fica o presente, esmagado entre esse passado romanceado e um futuro sempre incerto?

A menina do nariz arrebitado não existe mais. A mulher com quem me lembro de ela ter sonhado também não existe. Nunca existiu. Mas a menina sonhou muito com essa mulher que que saía por mil estradas dirigindo um carro conversível, com o cabelo ao vento e o violão no banco do carona. Talvez houvesse espaço pra um filho loirinho, chamado Gabriel, segurando esse violão no banco do carona.

Não sei dizer como era o presente daquela menina. Sei dela nas minhas memórias. Não sei se havia presente ou apenas um monte de futuro enganchado num tanto de passado (sim, a gente já tem passado aos 15!). E a verdade é que do presente de hoje também ainda sei pouco. Logo que acordo, me sento por 15 minutos pra entender que a única que coisa que de fato existe é o aqui e o agora. Penso no ontem, no amanhã… mas gentilmente me convido a voltar para este momento. Este. Agora mesmo. Aqui, diante do computador, escrevendo para você que, por algum motivo, parou pra ler o que eu tenho a dizer. Não agora. Em outro momento. O seu momento. O seu agora.

Lidar com o hoje é um exercício. Não sei quanto a você, mas pra mim talvez seja um dos mais difíceis que me propus a fazer. Entender que os personagens que criei para o meu futuro são apenas personagens, e que a menina de nariz arrebitado e olhos de Capitu também não é mais do que isso, não é uma tarefa simples. Requer um desapego ao qual não estou acostumada. A gente dá solidez às histórias que cria.

Nos raros momentos em que consigo olhar pra tudo isso e achar uma certa graça, no entanto, fica fácil perceber que estar no presente é muito mais confortável. Fica fácil entender que o sofrimento no presente, de modo geral, é menor porque ele é aquilo com que conseguimos lidar. De um jeito ou de outro.

A menina da foto não existe mais. É bonitinha, tem um olhar de Capitu… Mas também pode ser que tudo não passasse de uma pose para o fotógrafo. Era 1988. Hoje é 2018. Eu estou aqui, diante deste computador, falando sobre estar presente. E você está aí, lendo este texto e talvez pensando no passado… ou no futuro. Ou talvez concordando comigo que a única coisa que temos hoje é este momento que estamos vivendo exatamente agora. E que pode ser profundamente tranquilizador entender isso.

Um comentário em “Ontem, amanhã e… hoje”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s