Sem categoria

Recalculando a rota

Para Márcia Baja

Imagem: Pixabay

Na semana passada, uma mulher chinesa quase morreu ao sofrer um infarto enquanto ajudava seu filho a fazer a lição de casa. Pelo inusitado da situação, o caso virou notícia em jornais do mundo inteiro (confira os links no final deste texto). A mulher disse que sentiu muita raiva e “teve vontade de explodir” porque não conseguia fazer o filho pequeno entender a questão encaminhada pela professora.

Decidi falar desse assunto, que não me sai da cabeça desde que li a notícia e a repercussão do fato pelas muitas mães que fazem parte do meu círculo, porque considero verdadeiramente preocupante o nível de estresse sob o qual a gente tem vivido.

Eu não me lembro de ter a ajuda da minha mãe para fazer o para-casa do 3º ano. Não acho que as mães não devam ajudar seus filhos, caso sejam solicitadas. Por favor, não é isso. Só fiquei pensando no que leva uma moça de 36 anos a infartar porque o filho não entendeu a lição. No que nos leva a querer controlar a vida e as suas circunstâncias de tal modo que se uma criança não nos dá a resposta que acreditamos ser necessária “temos vontade de explodir”.

É disso que trata este texto. Dessa ilusão que temos de que tudo pode ser controlado. Algumas crianças vão repetir de ano ao longo de sua vida escolar. Alguns de nós vão adoecer no próximo ano. Algumas pessoas que amamos vão partir antes do que esperamos (esperamos?). Alguns de nós vão perder o emprego. Alguém vai se separar. Alguém vai trair e alguém será traído. Não estou desejando coisas ruins a ninguém, mas é assim, desse jeito, que a vida acontece. Não apenas a sua vida. A vida de todos nós.

Acontece que planejamos cada vez mais o nosso futuro e suportamos cada vez menos o que não estava nos nossos planos. “Tentei explicar a ele várias vezes, mas ele não me dava a resposta correta”, a chinesa que preferiu não ser identificada contou ao jornal. “Comecei a ficar com raiva e sentindo que explodiria. De repente, eu me senti tonta e com dificuldade para respirar.” Ela certamente se esforçou muito para ensinar aquela lição ao filho. E se você tem uma criança em idade escolar deve entender exatamente o que estou dizendo.

Nós geralmente esperamos que a vida nos ofereça uma farta colheita quando pensamos ter-nos dedicado à boa plantação. Mas a geada também assola a lavoura de quem trabalhou duro. Ninguém tem culpa. Apenas acontece assim. Talvez o garoto chinês acabe entendendo a questão proposta pela professora. Talvez não. Mas ele certamente não queria que sua mãe corresse risco de vida.

Nem sempre vamos conseguir “enfiar na cabeça” de uma criança de 8 ou 9 anos os conceitos que acreditamos fundamentais para a vida. Nem sempre vamos conseguir manter o emprego que nos garante o sustento. Nem sempre, apesar das dietas e exercícios regulares, vamos ter a garantia de nos manter saudáveis. Nem sempre vamos conseguir adiar o nosso encontro com a morte.

Quando digo que preciso abrir mão do controle, as pessoas me falam que isso é muito difícil. Mas a gente não tem controle de nada: abrir mão é simplesmente reconhecer isso. O ponto é que nem esse reconhecimento é capaz de tornar essa tarefa menos difícil. Ela é, de fato, dificílima. A não ser para as crianças. Uma das minhas filhas, dia desses, diante da minha aflição ao vê-la tomar suas próprias decisões (essa coisa que a gente costuma chamar de “se arriscar”), me disse apenas: “Me deixe ir, mãe. Me deixe errar. Pode ficar tranquila porque eu sei gritar e se der errado eu volto correndo e conto tudo pra você”.

Talvez eu nem esteja aqui pra ouvir todas as coisas que vão “dar errado”. Meu desejo e minhas ações meticulosamente calculadas não podem garantir que tudo estará sob controle. Entretanto, pra aumentar a chance de estar disponível pra ela, é prudente melhorar minha alimentação, fazer algum exercício físico e diminuir a tensão. O que me faz lembrar de uma das pessoas mais lindas e sábias que já tive a honra de conhecer: Marcia Baja, yogini e tutora do CEBB. Foi dela que ouvi uma vez que o “método Waze” é uma boa maneira de lidar com a vida. Quando a gente erra o caminho, o aplicativo não berra nem diz que tudo está perdido. Ele apenas avisa: “Recalculando a rota”. E seguimos.

Links para algumas matérias sobre o caso da mãe chinesa:

5 comentários em “Recalculando a rota”

  1. Muito bom! É impressionante como não temos controle de nada e queremos a cada dia controlar tudo e muito mais! Com as/os filhas/os isso pode chegar ao limite do absurdo. Desde a marcação do parto aos três meses de gravidez, até a decisão do seu futuro profissional!
    Muito bom o seu texto. Faz a gente pensar a sério nisso!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s