Sem categoria

Será que ela não vê?

Imagem: Gerd Altmann, por Pixabay

Como é possível que ela não veja o que está fazendo com a própria vida?

A pergunta, indignada, vinha de uma garota preocupada com sua amiga, segundo ela cega de paixão por um rapaz que não a respeita, sai por aí com mil outras garotas e só será capaz de fazê-la sofrer. Seu questionamento vinha carregado com um misto de preocupação, raiva do que ela acreditava ser uma “cegueira” da amiga e angústia por sentir que não podia ajudá-la. A amiga não havia solicitado sua ajuda.

É possível que a amiga não veja o que está fazendo com a própria vida. É possível também que veja… por outro ponto de vista. O ponto de vista da amiga. É possível até mesmo que aquela garota, angustiada e irritada com o problema de sua amiga, não faça a menor ideia da amplitude do olhar ou mesmo das intenções dessa amiga.

Por mais que a gente acredite estar vendo a cena do alto da montanha, se dando conta de que a outra pessoa está perto demais do objeto para conseguir observá-lo por inteiro, não é impondo o nosso ponto de vista ao outro que teremos a sua atenção. Se a gente mete a outra pessoa dentro da nossa caminhonete para levá-la ao topo do morro, de modo que ela possa perceber a amplitude da cena, é provável que ela faça todo o percurso de olhos vendados e retorne a pé, cega de raiva e sem vontade de voltar a falar conosco.

Se a gente acredita que pode ajudar, é mais gentil perguntar se a outra pessoa precisa de ajuda.

Mas eu sei que ela vai se machucar e depois virá atrás de mim, arrasada.

É possível que aconteça. E nesse momento talvez seja possível ajudá-la.

Mas vou esperar que ela se esborrache??? Que sofra??? Isso não é sadismo???

Ela realmente acreditava que poderia impedir o sofrimento da amiga. A gente sempre acredita. As mães então… essas costumam ter certeza de que poderão forrar o chão com espumas para que seus filhos jamais se machuquem. Além de acreditarem que suas visões são sempre mais amplas que as deles.

No entanto, os caminhos e as escolhas são individuais. Algumas pessoas fazem escolhas menos dolorosas, ou aprendem a encontrar lugares mais tranquilos dentro delas mesmas à custa de menos esforço. Outras vão cair e se ferir muitas vezes até se darem conta de que a vida poderia ser mais leve. E algumas chegarão muito perto da morte sem jamais se darem conta disso.

Então eu não posso fazer nada?

Tenho pra mim que pode. Acho que sempre podemos fazer alguma coisa. Talvez não o que gostaríamos de fazer. Mas, sim, sempre podemos fazer alguma coisa. E a primeira coisa que podemos fazer é entender o outro no lugar onde ele está. Experimentar seus óculos, talvez. Tentar olhar o mundo da maneira como o mundo aparece pr’aquela pessoa. Entender se ela sofre ou se somos nós que estamos a lhe antecipar o sofrimento. Fico achando que a gente não deveria antecipar o sofrimento do outro. Talvez oferecer nossa presença silenciosa, aberta e acolhedora seja o melhor que podemos fazer. Desde que o outro esteja também aberto para essa presença.

Será que ela gostaria que eu a convidasse para um café com bolo, sem julgamentos e com a alegria que a gente costumava ter nos tempos do colégio?

É possível que sim. Mas também pode ser que não.

2 comentários em “Será que ela não vê?”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s