Sem categoria

Por favor, não se esqueçam de que há uma pandemia lá fora

Imagem: Pixabay

Algumas pessoas estão redescobrindo pequenos prazeres durante esta quarentena. Tem gente revelando talentos incríveis na cozinha. Tem gente finalmente encontrando tempo e disposição pra se sentar no chão e brincar com os filhos. Tem gente se sentando pra conversar no fim do dia. E é, de fato, maravilhoso que a ameaça de um vírus que pode nos matar, repentinamente, a todos, possa nos devolver uma vida da qual jamais deveríamos ter aberto mão. Ainda assim, eu gostaria de sugerir a cada um que, de rompante, foi tocado pela certeza absoluta da impermanência: dediquem-se aos prazeres, mas, por favor, não se esqueçam de que há uma pandemia lá fora.

A minha porta de entrada para o budismo foi a primeira nobre verdade: “O sofrimento existe”. Sidarta Gautama, o Buda histórico, não disse que o sofrimento dignificava as pessoas ou que fosse necessário sofrer. Pelo contrário. Ele deu mais de 800 mil ensinamentos para ajudar as pessoas a se libertarem do sofrimento. Mas não é possível que a gente se liberte daquilo que nega. A gente não se liberta daquilo que finge que não existe.

Pois bem: é por isso, precisamente por isso, que eu peço a quem se sentiu tocado pela quarentena imposta por essa pandemia que jamais se esqueça da pandemia. Se a gente não entender que o sofrimento existe, não haverá sequer o desejo de se libertar do sofrimento. Perdoem-me usar aqui as referências do budismo, mas é que elas me são bastante caras e, acredito, ilustrativas para o momento.

Sidarta Gautama era um príncipe. Vivia, de certo modo, numa quarentena nababesca imposta por seu pai, que queria impedir o filho de entrar em contato com qualquer tipo de sofrimento. Por isso, ele não podia ultrapassar os muros do castelo. Mas parece que ele tinha intenção de furar aquela bolha e entender a vida para além dos muros. Um dia fugiu, viu as pessoas que estavam do lado de fora e compreendeu a primeira nobre verdade: “o sofrimento existe”.

Sua vida, dali em diante, foi a busca de um caminho que qualquer pessoa pudesse seguir para se libertar de todo o sofrimento. Tenho pra mim que ele conseguiu. Jamais pela negação. Se a gente nega que existe sofrimento lá fora, quando ele por ventura nos bater à porta não conseguiremos manter a tranquilidade. É preciso se familiarizar com a paz diante de todas as intempéries que parecem existir somente para nos roubar a paz. E a gente não consegue fazer isso se apenas ignorar a guerra.

Então, é assim: o sofrimento existe. Há uma pandemia lá fora que nos obriga a ficar em casa. E para nós, que temos a possibilidade de ficar em casa – alguns realmente não têm –, talvez esta seja a melhor oportunidade de nossas vidas para descobrir que ficar em paz e lidar tranquilamente com quaisquer circunstâncias que nos apareçam só depende de cada um de nós. É a grande chance que temos de fazer a nossa metamorfose (pra quem leu o último texto, informo que sim, é possível que eu esteja me tornando repetitiva…rs).