Terapias

A força da vulnerabilidade

Para Letícia Carreira, que generosamente insistiu pra que eu me rendesse ao tarot

Foto: Daniela Mata Machado

Há de surgir
Uma estrela no céu
Cada vez que ocê sorrir
Há de apagar
Uma estrela no céu
Cada vez que ocê chorar

O contrário também
Bem que pode acontecer
De uma estrela brilhar
Quando a lágrima cair
Ou então
De uma estrela cadente se jogar
Só pra ver
A flor do seu sorriso se abrir

(trecho da canção Estrela, de Gilberto Gil)

Passei anos atormentada pela carta da Torre. Tinha, inclusive, um pesadelo recorrente com um castelo medieval cheio de labirintos e absolutamente claustrofóbico, cuja única saída era saltar de sua torre mais alta. Levei mais de uma década pra compreender que aquele pesadelo era a carta da Torre. A famigerada carta que me deixava em pânico cada vez que aparecia nos meus jogos online. Eu vivi a Torre. Passei por ela e a vi destruir, com raios e trovões, cada tijolo da fortaleza que eu havia erguido para me proteger. Até que, bem mais recentemente, decidi aprender a jogar tarot de verdade… e passei a encontrar, em cada um dos meus jogos, a carta da Estrela. Então é isso: depois da Torre, vem a Estrela.

Nesse último fim de semana, a carta da Estrela se abateu sobre o meu corpo e a minha alma de um modo absolutamente visceral. Durante a Master Class em AIM – Abordagem Integrada da Mente (clique aqui para saber mais sobre essa abordagem incrível), facilitada pelo psiquiatra e neurocientista Diogo Lara, eu me deixei inundar pela vulnerabilidade e pela abertura da décima sétima carta do tarot.

Depois de ser arremessada do alto de uma Torre irremediavelmente destruída, a heroína está nua e já entendeu que não precisa carregar toda a bagagem que seguia arrastando: despeja na terra a água que vai ajudar a florescer e frutificar o solo e devolve ao rio o restante. A Estrela já passou pela Torre. E ela sabe que tudo o que basta é tão somente aquilo que é essencial.

A primeira formação em AIM me botou cara a cara com a carta da Torre: era preciso aceitar a destruição do que já se encontrava em ruínas. Seguir cimentando tijolo em cima de tijolo numa fortaleza que já não podia sustentar minha persona frágil era um trabalho inglório, que não resultaria em nada. Deixar que a fortaleza implodisse e revelasse toda a fragilidade do ego era um passo importante naquele momento.

Mas eu sabia que, cerca de um ano e meio depois, era preciso avançar mais um passo. Diante da Torre caída, um pouco contra a minha vontade, era necessário me fazer vulnerável, exposta e, finalmente, aberta para o caminho de esperança que se descortina. Não é preciso carregar a água: a que não serve para irrigar o solo deve retornar ao rio. Não é preciso erguer novos muros, nem criar e polir personas diversas. A Estrela se move absolutamente exposta, desprotegida e, por isso mesmo, forte. Com a força de quem descobre, dia após dia, que não é preciso nada além do essencial. O ser essencial.  

terapias holísticas

Crise de cura

Imagem: Pixabay

O que negas, te subordina. O que aceitas, te transforma.

(Carl Gustav Jung)

“Tive uma noite dificílima depois da sessão de Reiki. Me arrependi de ter vindo aqui na semana passada.” O relato era da minha cliente. “Ando chorando a toa desde que estive aqui. Não durmo bem. Todos haviam me dito que o Reiki melhorava o sono e diminuía a ansiedade. Foi por isso que vim.”

Perguntei a ela há quanto tempo não chorava antes daqueles dias. “Não me lembro. Muito tempo.” Era preciso explicar-lhe como funciona uma crise de cura. Quando se varre a poeira pra debaixo do tapete, não é muito cômodo decidir fazer uma faxina. Às vezes a poeira chega a desencadear uma crise de asma. Não é que a poeira não estivesse ali. É que antes não se via.

Rosângela sofria de ansiedade, se irritava facilmente com as pessoas e chegou ao espaço terapêutico pensando em deixar, a um só tempo, o marido e o emprego. Mas, conforme me relatava naquele segundo encontro, não era alguém que se debulhasse em lágrimas como vinha fazendo nos últimos dias.

Ela se definia como uma pessoa forte, decidida e de gênio indomável. Brigava por seus direitos e por qualquer coisa que considerasse errada no mundo. Dormia mal, era vista pela família como excessivamente controladora e não tinha muita paciência para arroubos emotivos.

“Você era uma criança segura e forte?”, perguntei.

“Não. A vida me tornou forte. Eu era uma criança tola, chorona. Uma menina que não sabia brigar e vivia querendo pacificar o que não podia ser pacificado.”

Há tantas coisas que não conseguimos pacificar. Não porque não é possível, mas porque nem sempre temos recursos para isso. Tantas guerras que gostaríamos de impedir. Tantas brigas que gostaríamos de não ver. Tanta violência que desejaríamos ter impedido.

Não sei quais eram as guerras que Rosângela gostaria de ter pacificado. Sei, no entanto, que represá-las não impediu que essas guerras seguissem lhe tirando o sono e a paz pelos tempos vindouros. Não impediu que, de tempos em tempos, seus canhões estourassem dentro do peito da mulher, agora forte.

Ela estava irritada com o Reiki. No lugar dela, eu também estaria. Afinal, tudo o que ela havia amassado e apertado pra esconder em gavetas que não revelassem toda a fragilidade que lhe parecia tão má, de repente resolvera escorrer pelos olhos sem nenhum pudor.

O que ela nem imaginava é que as lágrimas que não haviam lhe dado sossego durante uma semana eram o antídoto para a dor que, em algum momento, ela não poderia mais suportar. Não se pode controlar uma dor com analgésicos a vida inteira. É preciso vivê-la, entender sua origem, olhar nos olhos dela e, só então, dizer que ela pode ir.

Minha cliente acabava de olhar nos olhos da sua própria dor. Acabava de entrar em contato com a menina que gostaria de pacificar o mundo e sentira-se incapaz. Acabava de entender que podia pacificar o seu próprio mundo. Não nos vimos muitas vezes depois daquele dia. Mas ela me mandou uma mensagem para contar que finalmente dormia melhor, que decidira dar uma nova chance ao emprego e também ao marido. E que, qualquer dia desses, gostaria de passar no espaço terapêutico porque achava que o Reiki era mesmo muito relaxante.